Construindo o Futuro com Educação e Tecnologia

;

Gestão como vocação e caminho profissional - Entrevista com Douglas Dias


 



Perfil: Douglas Dias

33 anos

Casado, pai de Thomas



Foi aluno do Ensino Médio e também do curso técnico de Química da ETEC Getúlio Vargas. Tecnólogo pela FATEC  Zona Leste em Informática com Ênfase em Gestão de Negócio e posteriormente pós-graduado em Gestão Empresarial na FATEC São Paulo.

Profissional multidisciplinar, entre a graduação e a pós-graduação na FATEC, Douglas ainda encontrou tempo e energia para outra graduação, em Lazer e Turismo, pela Universidade de São Paulo. Dois anos depois, decidiu voltar aos bancos acadêmicos e atualmente cursa o 4º Ano de Direito, além de ser aluno do Mestrado em Ciências Exatas.

Foi professor da ETEC e é professor da FATEC  Ipiranga desde 2011.

Também atua como Gestor de Projetos na FAT e Mediador de ensino a distância (EAD) no curso de Tecnologia em Gestão Empresarial, com 08 pólos de mediação no Estado de São Paulo.



Sou resultado da inclusão pela educação

Meu relacionamento com o Centro Paula Souza é bem extenso e permeou toda a minha formação pessoal e profissional. Conheci minha esposa na ETEC, há 15 anos, e estamos juntos desde o ensino médio. Eu acredito muito naquela frase que “a educação inclui”, e eu sou resultado da inclusão pela educação. Não nasci com herança, então tudo o que eu consegui foi pela educação. Passei nos vestibulares sem fazer cursinho porque a ETEC me proporcionou uma formação excelente, e desde então não parei de me aperfeiçoar. Costumo afirmar que todo diploma tem valor.

Minha trajetória profissional começou com um estágio na Companhia Nitro Química Brasileira em São Miguel Paulista, na fabricação de matéria-prima de tinta. Mas essa não era uma área que me agradava, meu objetivo era trabalhar na área de Qualidade.

Depois apareceu um outro estágio, na empresa alemã Sprimag do Brasil, onde minha carreira deslanchou muito rápido. Entrei como estagiário e com 19 eu já era Auditor da Qualidade, Auditor Interno e Externo da ISO (ISO TS16949). Nesses 2 anos a responsabilidade cresceu muito, mas a minha carreira  também.

Entrei na FATEC com 20 anos já com essa experiência na área de Qualidade. Embora fizesse Informática com Ênfase em Gestão de Negócios (hoje esse curso se chama Análise e Desenvolvimento de Sistemas), a parte de informática não era meu foco principal, mas sim a gestão, o que me deu a oportunidade de iniciar uma carreira como Consultor. Trabalhei como Consultor Junior em projetos na área de qualidade, e depois como Consultor Pleno, em projetos voltados ao desenvolvimento organizacional.

Fui convidado a compor a equipe de gestão da Secretaria de Comunicação de São Paulo como assessor direto do Secretário. Eu tinha 22 anos e costumo dizer que essa experiência no setor público foi um “banho de realidade”. Estar do lado da gestão pública amplia seu olhar. Fiquei na Secretaria de Comunicação da Cidade de São Paulo de 2004 até 2007 cuidando das contas de publicidade, executando o mapeamento e a gestão da Coordenadoria de Publicidade.

Em 2006 fiz um curso de Gestão de Projetos baseado na certificação PMP (Project Management Professional), que me ajudou bastante nos desafios que viriam pela frente.

Em 2007 fui convidado para trabalhar no IDORT (Instituto de Organização Racional do Trabalho) com um projeto de redesenho organizacional e otimização de processos na Secretaria Municipal de Educação.

Findado o projeto, em 2008 saí do IDORT e fui convidado para assumir um projeto na FAT, que havia sido contratada pela a Secretaria de Comunicação. Como eu já tinha trabalhado lá, conhecia processos e bancos de dados, o que me ajudou na gestão e no desenvolvimento de uma ferramenta para administrar as contas públicas da Secretaria, por indicação do Tribunal de Contas do Município. Esse projeto virou um case na gestão de comunicação no Brasil, pois criamos uma biblioteca digital que unia preços de publicidade com todas as publicações – impressos, vídeos e áudios. Foram 5 anos deste projeto. Estou aqui desde de 2008, gerindo projetos importantes da Fundação FAT.

A ETEC ensina coisas para os alunos que eles vão usar no dia a dia no trabalho

Quando eu estudava na ETEC sempre ouvia dos professores que “o profissional precisa ser multifuncional”, tem que ser multifacetado, multitarefa. Era um discurso muito corrente na sala de aula. A ETEC ensina coisas para os alunos que eles vão usar no dia a dia no trabalho. Tive um professor que nos ensinava o aperto de mão correto para quando fôssemos conhecer alguém numa entrevista de emprego. Também foi na ETEC que me ensinaram a fazer ata de reunião, a etiqueta profissional e a linguagem do mundo profissional que é muito diferente do mundo acadêmico. A formação da ETEC e da FATEC é muito assertiva em preparar o aluno para o mercado de trabalho e para aquilo que nenhuma outra instituição com viés mais acadêmico queira preparar.

Com essa  formação multidisciplinar, que começou nas ciências exatas, passando pelas ciências sociais, humanas e gestão, pude participar de projetos de diferentes natureza. Foram projeto de TI, Projeto de Desenvolvimento Econômico Regional para diminuir o impacto da mecanização do corte da cana de açúcar, projeto de inclusão de Pessoas com Deficiência desenvolvendo tecnologia para inclusão, e projetos ambientais, como os da Cia. Docas do Porto de São Sebastião, onde temos atestado de capacidade técnica para a indústria portuária em atendimento a emergências ambientais e na certificação ISO14001 (Meio Ambiente). Acredito que um gestor de projetos é este profissional: multitarefa, multifacetado e sempre se atualizando.